quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

Frivolidade e conteúdo



"You’re considered superficial and silly if you are interested in fashion, but I think you can be substantial and still be interested in frivolity."  Sofia Coppola

"Você é considerado superficial e tolo se estiver interessado em moda, mas acho que você pode ser relevante e ainda se interessar por frivolidade." 


Essa frase de Sofia Coppola - cineasta cujo talento profissional, gosto por moda e estilo de se vestir são conhecidos do público - me fez parar para pensar em questões como futilidade, conteúdo, leveza e como isso tudo gera opiniões diferentes e tem efeitos diversos na vida das pessoas.


É claro que não se pode generalizar e afirmar que todos fazem isso mas,  falando de maneira geral, as pessoas têm uma tendência a rotular outras. Isso é compreensível, já que algumas características da personalidade e da maneira como nos mostramos ao mundo - através de nosso comportamento e da imagem que passamos aos outros -, costumam ser  mais marcantes que outras e, dessa forma, acabam por gerar esses "rótulos".        


O que não é legal é deixar que esses rótulos façam as pessoas acreditarem que uma pessoa é, por exemplo, alguém apenas fútil porque gosta de roupa ou séria demais porque é muito estudiosa. Ninguém costuma ser uma coisa só.  Somos multifacetados, temos interesses diversos e podemos encontrar um ponto de equilíbrio entre eles. Posso gostar de mergulhar no mundo das ideias, das emoções, das leis, da medicina, da tecnologia e, ao mesmo tempo, interessar-me por temas ligados às artes, à gastronomia, ao mundo da beleza, aos esportes, à moda ou à meditação. Por isso penso que Sofia Coppola está coberta de razão. Hoje vejo que é perfeitamente possível ter conteúdo e ao mesmo tempo gostar de uma "futilidade", de algo considerado superficial. 


E, verdade seja dita, quem gosta de moda e estilo sabe o quanto isso pode ser divertido, dar um colorido especial à vida e ajudar na autoestima! 


Muitas vezes, o que chamam de futilidade traz para a vida uma leveza que é importante e útil. Sabemos que a vida exige que assumamos compromissos, demanda responsabilidade e nos impõe situações que nos desafiam, podendo fazer com que cheguemos ao nosso limite. Na busca do equilíbrio, é importante que tenhamos momentos para aliviar o peso das ocasiões difíceis, das tragédias insistentemente noticiadas na tv, das pessoas que andam com uma nuvenzinha cinza sobre suas cabeças e só sabem reclamar.


Não dá pra viver o tempo todo só de ilusão, de superficialidades; é preciso investir no conteúdo interno, no aprimoramento intelectual, emocional e espiritual - isso é o que nos dá força e equilíbrio nos momentos difíceis da vida.  Mas também não dá pra viver mergulhado em questões profundas o tempo inteiro. Isso pode trazer um peso à vida e dificultar o nosso viver.

O caminho do meio é a melhor opção: um pouco disso e um pouco daquilo, o equilíbrio, a harmonia.

Mas é claro que isso não é uma verdade absoluta. É apenas a minha verdade, o que eu acredito. Cada um deve buscar a sua e vivê-la da melhor maneira possível.  



Denise Mattos


Imagem:  Prestige Online

Estilo em qualquer idade

Foto da Agência Silver, especializada em modelos acima dos 40 anos, em Paris 

O mundo da imagem parece pertencer aos jovens, não é mesmo? Basta dar uma olhada nos blogs voltados para moda e estilo, nas capas de revista, nos comerciais da tv. A maioria esmagadora deles mostra pessoas jovens, bonitas,  cheias de estilo e, no caso dos blogs, exibindo seus looks do dia que irão inspirar outras mulheres. O interesse pelo tema é tão grande que muitas dessas jovens acabam virando vitrines para marcas do setor da moda.


Toda mulher sabe - sobretudo aquelas que já passaram dos 40 - que a cobrança em cima da imagem feminina é muito maior do que sobre os homens. Deles, não se exige tanto. Na visão feminina, a barriga proeminente deles não costuma ser um problema, os cabelos brancos acrescentam-lhes  um charme especial e o estilo de se vestir, que costuma ser bem básico, está ótimo para elas.

Já em relação às mulheres, a coisa pode mudar de figura: os homens, com raras exceções, estão sempre dispostos a admirarem corpos e rostos de mulheres jovens. 


Porém, felizmente, hoje as mulheres maduras não se deixam abater por esse tipo de comportamento e já não se sentem mais invisíveis, como antes poderia ocorrer. Elas estão mais seguras e dispostas a investirem em si próprias - em seu bem-estar, no seu visual, na sua vida como um todo. Quando olham ao seu redor, vêem vários exemplos de mulheres fortes, que continuam tendo sonhos e sendo produtivas, cada uma à sua maneira, de acordo com sua realidade de vida.  

        

Essa mudança se reflete em sua aparência, na maneira como se apresentam ao mundo. Em tempos modernos, não é à toa que se ouve que os 50 anos são os novos 30. A população está envelhecendo e sobretudo a chamada terceira idade não é mais como era antigamente. Hoje, já não existe o predomínio daquele jeito mais conservador de se vestir, que era quase como uma regra há tempos atrás. As pessoas sentem-se mais livres para vestirem-se de acordo com o próprio estilo, expressando o seu jeito de ser através da roupa que vestem.



A expectativa de vida vem aumentando, os recursos da medicina estão cada dia mais avançados e a indústria do cosmético oferece opções  variadas para todos os gostos e bolsos. O mundo virtual tem mostrado cada vez mais senhoras apaixonadas por estilo que, durante a sua juventude, não tiveram a oportunidade de ver e compartilhar  looks do dia, trocar ideias sobre o assunto e se divertir com isso, pois naquele tempo não havia Internet.

Hoje as redes sociais estão repletas de exemplos de senhoras e senhores cheios de estilo, que adoram publicar suas produções de roupas e são seguidos por pessoas que se identificam com o que vêem. Eu já falei sobre esse assunto anteriormente, nesse texto aqui e sempre fico feliz ao escrever sobre a valorização de pessoas maduras pelo mundo da moda e da imagem - como estilistas, grifes e agências de modelo e de publicidade - como profissionais produtivos e cheios de vitalidade. Para essas pessoas, a vida é uma passarela e elas adoram desfilar!    








Costanza Pascolato, Gloria Kalil, Carolina Herrera, Iris Apfel (excentricamente estilosa do alto de seus 96 anos, ela virou ícone de estilo depois dos seus 80 anos) são algumas estilosas famosas. Mas há um número grande de anônimos(as) que já passaram dos 50, 60, 70 e 80 anos, e que estão aí para provar que as pessoas cujos vinte e poucos anos ficaram lá atrás, são cheias de vida, têm o espírito jovem, são vaidosas e possuem estilo de sobra! 


Denise Mattos

Costanza Pascolato

Iris Apfel: "A vida é cinza e maçante, mas você pode se divertir um pouco na hora de se vestir."


Imagens: reprodução (Pinterest)